Seja bem-vindo(a) ao nosso novo portal! Ajude-nos a deixá-lo ainda melhor enviando a sua opinião. Clique aqui.
A Voz do Pastor › 03/06/2015

Uma festa para o amor

Por Dom Messias dos Reis Silveira

maxresdefaultDeus é a plenitude dos bens maiores desejados pelo ser humano. Ele é a plenitude do amor e sua plenitude se transbordou de forma tal que Ele mesmo se tornou amor. Deus é amor (1Jo 4,8). A Encarnação é um grande mistério de amor. Deus sai de si para se tornar pessoa e conviver com a fragilidade dos humanos. Ele se encarna para mostrar aos humanos o caminho da libertação. Desde o nascimento de Jesus até sua morte violenta na cruz ele não cessou de amar.

Por causa do seu amor, o Divino Mestre curou, perdoou, corrigiu, libertou e salvou a humanidade. Na pessoa de Jesus se visualiza o mistério do Amor de Deus. Sua morte foi expressão máxima de seu  amor pela humanidade. Ele morreu pelos justos e injustos.

A imagem do Sagrado Coração de Jesus expressa bem os sinais da afetividade Crística. Olhando para essa imagem notamos que Jesus com uma mão aponta para o seu coração e com a outra aponta para o Pai. Ele que é caminho, verdade e vida nos leva ao Pai, mas para isso precisamos entrar pela porta de seu coração, ser nele hospedados e amados para então ser conduzidos ao Pai. Essa realidade está igualmente representada no Imaculado Coração de Maria. Nele está o símbolo do amor materno que acolhe um amor maior.

Na solenidade do Sagrado Coração de Jesus celebramos a paixão de Deus pelos seus filhos. Na Solenidade do Imaculado Coração de Maria celebramos a acolhida e a difusão do amor maior no meio da humanidade.

Os compromissos nascidos na celebração destas solenidades devem se concretizar em amor maduro em favor das pessoas de tal forma que o discípulo passa a “amar como Jesus amou” e amar profundamente como uma mãe é capaz de amar.

Enquanto cada pessoa, cada comunidade ou nação celebra o Amor de Deus, manifestado em Maria e em seu Filho, essa pessoa deve se tornar expressão de amor no relacionamento com Deus, com os outros, consigo mesmo e com a natureza de tal  forma que tudo seja terno e belo.

Dom Messias dos Reis Silveira

Bispo Diocesano

Diocese de Uruaçu – GO


Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.