Seja bem-vindo(a) ao nosso novo portal! Ajude-nos a deixá-lo ainda melhor enviando a sua opinião. Clique aqui.
Notícias da diocese › 08/06/2018

Solenidade do Sagrado Coração de Jesus: “ocasião para renovar o nosso encontro com Ele”

Os padres da Diocese de Uruaçu se reuniram na manhã desta sexta-feira (8), Solenidade do Sagrado Coração de Jesus e Dia Mundial de Oração pela Santificação do Clero, para rezar pelo seu sacerdócio e pelos sacerdotes do mundo inteiro. A manhã começou com a oração das laudes. Em seguida houve testemunhos de alguns padres e a Adoração ao Santíssimo Sacramento.

A Santa Missa foi presidida pelo bispo diocesano Dom Messias dos Reis Silveira. “O sacerdote embora seja um homem que leva Jesus para as pessoas, é um dependente Dele”, disse em sua homilia, em referência à Primeira Leitura, que relata a lembrança de Eliú a Jó sobre a dependência que o ser humano tem de Deus (Cf. Os 11, 4-8). O sacerdote, continuou o presidente da celebração, assim como Paulo, deve ir diariamente descendo ao mistério de Cristo levando a sua comunidade a fazer o mesmo.

A Solenidade do Sagrado Coração de Jesus, conforme Dom Messias “é ocasião para renovar o nosso encontro com Ele, assim revigorar a nossa missão ao serviço do povo de Deus”. O bispo motivou também os padres a sempre se lembrarem do encanto da vocação, isto é, do chamado que Deus fez a cada um para viver o ministério sacerdotal. “Nunca podemos esquecer o encanto da vocação que nos atraiu e do entusiasmo com que escolhemos andar nos caminhos do Senhor. A vocação é um mistério que tem sua origem na intersecção de olhares que havia entre Deus e cada um de nós. Na verdade ‘nós tivemos em nossa vida algumas reuniões com ele’ e cada um pode fazer a sua própria memória espiritual e retomar para a alegria do momento ‘em que sentiu que Jesus estava olhando para si’ (PP. Francisco, Santa Marta 24/04/15)”, comentou.

O Senhor transforma

Dom Messias também comentou que durante o sacerdócio há os momentos de fragilidade, de quedas, de desafios nem sempre fáceis. Mas ressaltou que o Senhor continua no caminho junto com cada padre nesses percalços. “A grande memória do encontro inicial, a alegria do discipulado e o zelo do ministério apostólico, talvez levada por anos em situações nem sempre fáceis, pode dar lugar à fadiga, ou desânimo, pelo avanço do deserto interior e aridez envolvendo nossa vida sacerdotal na tristeza. Nesses momentos, no entanto, o Senhor, que nunca esquece as vidas de seus filhos, convida-nos a ir com ele ao monte, como fez com Pedro, Tiago e João, transfigurando na frente deles. Levando-os ‘para cima’ e ‘separados’ Jesus os faz realizar a maravilhosa jornada de transformação: do deserto ao Tabor e da escuridão à luz”.

Um novo encontro com o Senhor é necessário, disse ainda Dom Messias, se dirigindo aos padres porque ele “é uma fonte jorrante que flui em nós para impedir o nosso ‘aqui estou’. Esse encontro pessoal constante, afirmou ainda, é fundamental para que em sua caminhada pastoral os padres estejam sempre dispostos a dizer: ‘aqui estou’”. A adesão ao Senhor pode ser confirmada ao contemplar a cena evangélica da Transfiguração do Senhor, por meio de três passos: Subir, isto é, imergir no amor de Deus, principalmente por meio da oração; deixando-se transformar pela oração que muda os corações; e sendo luz para o mundo, como missionário, com coragem e entusiasmo para sair de si mesmo, “a fim de anunciar ao mundo o que temos ouvido, visto e tocado em nossa experiência pessoal” (cf. Jo 11, 13).

Por fim, o bispo citou o papa Francisco mais uma vez para falar sobre o sentido da santidade na vida sacerdotal. “Queridos sacerdotes, que a beleza deste dia consagrado ao Coração de Jesus, possa crescer em nós despertando-nos para um ardente desejo de santidade. A Igreja e o mundo precisam de santos sacerdotes. O papa Francisco, na Exortação sobre a santidade, recordou os padres que ‘a Igreja não precisa de burocratas e funcionários, mas de missionários apaixonados, devorados pelo entusiasmo de comunicar a verdadeira vida. (PP Francisco, Gaudete Exsutate, nº 138). Façamos o caminho da subida ao Tabor, da contemplação que nos transforma e da descida levando luz para o mundo e para o povo. O Imaculado Coração de Maria, nosso padroeiro Diocesano que amanhã celebramos nos acompanhe e guarde sempre”, finalizou.

Setor Diocesano de Comunicação


Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.