A missão do leigo na paróquia

0
232

“Se o sal perde o sabor, com que se salgará?” (Mt 5,13)

Definidos por Jesus como sal da terra e luz do mundo, os discípulos receberam nesta mesma passagem o campo de sua atuação e missão: o mundo. E quem são os discípulos de Jesus hoje? Não apenas os ministros ordenados, mas também os cristãos leigos e leigas já que estes, no seu dia-a-dia, no desenrolar de sua história e existência, experimentam e expressam sua fé ao participar de forma plena da Igreja – corpo místico de Cristo.
Nenhum cristão pode viver para si mesmo (como o sal e a luz não o fazem); sua missão é se doar, dar sabor, iluminar, é assumir ativamente a sua vocação ajudando na transformação da sociedade, interpelados a viver a santidade no mundo, a ser a mão de Deus em meio aos desafios e dissabores cotidianos desse mundo.

Na Paróquia, os leigos e leigas desempenham papéis que a sustentam, mantém e expandem de forma a levar a Boa Nova a mais pessoas. Eles dão rosto e corpo à Igreja local. Dedicam seu tempo, seu talento, seu carisma e trabalho à missão. É na Paróquia que se materializa o desejo de servir a Cristo e aos irmãos. São diversas e inúmeras as atividades desenvolvidas por eles, sem as quais a Igreja não seria a mãe acolhedora que precisa ser. Seja na Liturgia, na catequese, no estudo bíblico, nos grupos de oração, nas pastorais sociais, entre tantas outras, os leigos e leigas fazem acontecer na vida e na prática a vivência comunitária da Palavra, plantando a semente do Reino de Deus, emprestando suas mãos para que Deus se faça presente e real na vida de tantos.

A conversão se concretiza no serviço ao próximo e à comunidade. Na experiência pastoral o leigo aprende e ensina a fé em Cristo Jesus, que o inspira e sustenta na caminhada.
Os leigos e leigas envolvidos nas pastorais paroquiais não são heróis, santos, perfeitos, iluminados; são homens e mulheres comuns, que ouviram o chamado, se inquietaram e se dispuseram a entregar seu tempo e seu dom ao projeto de seu Deus. É aquele servo ungido pelo Espírito no batismo, que sabe de sua limitação, indignidade e pequenez, mas se entrega nos braços do Pai para ser lapidado, capacitado e enviado; que dispõe suas mãos e esforços para servir a esse Deus manifestado na pessoa e necessidade do irmão. É aquele que busca por em prática em casa, no trabalho, na escola, nos locais que frequenta – no mundo – a doutrina em que acredita. Ou seja, o mundo é o território de atuação do leigo, mas seu objetivo é o céu- a salvação eterna – prometido aos que aceitarem a Cruz proposta por Jesus.

O leigo engajado na paróquia é o rosto da Igreja e de Jesus para o Mundo. Sejamos na alegria do Evangelho o sabor (sal) e a promessa de paz e esperança (luz) para o mundo contribuindo assim para que este seja cada vez melhor e menos indiferente.

Geralda Elvira da Silva Queiroz
Paróquia Sagrado Coração de Jesus
Goianésia-GO