Alegrias, belezas e desafios da Diocese de Uruaçu em 63 anos de evangelização

0
43

Neste sábado, 30 de maio, a Diocese de Uruaçu celebra 63 anos de instalação, data histórica que se deu em 1957. A sua criação, porém, aconteceu em 26 de março do ano anterior, pelo papa Pio XII, por meio da bula Cum Territorium, após a extinção da Prelazia de São José do Alto Tocantins, que existiu por 32 anos. É motivo de alegria e júbilo para a Igreja de Uruaçu.

“Um rebanho muito bom”

Em entrevista aos meios de comunicação diocesano, nosso bispo emérito Dom José Silva Chaves, comentou alguns aspectos históricos da Igreja particular. “A princípio, a sede da nossa diocese era em Niquelândia e esta Igreja nasceu do território daquele município. Quando foi criada Uruaçu, havia apenas dois sacerdotes diocesanos e uns sete padres religiosos. Havia só quatro paróquias provisionárias, quer dizer, paróquias com padres residentes. O primeiro bispo foi Dom Francisco Prada Carrera, transferido da antiga Prelazia de São José do Alto Tocantins, para a Diocese de Uruaçu”, comentou Dom José.

O bispo emérito também lembrou os desafios daquele início que não foram fáceis, mas foram necessários para que a evangelizasse frutificasse no norte do estado de Goiás, sobretudo com a missão dos religiosos e religiosas. “A região era desprovida de tudo, sem asfalto, sem energia elétrica, sem água potável, sem escola, era muito difícil. Foi desbravada pelos valorosos e zelosos padres claretianos. Muitos deles deram a vida pela diocese que nesta caminhada de 63 anos, fez até milagres: ordenou quase 100 padres, deu três bispos para a Igreja: Dom José Francisco, Dom Adair e eu. Hoje esta Igreja particular é uma das boas dioceses do Brasil, organizada, piedosa, tendo como referência principalmente o seminário, a formação dos sacerdotes”.

Por fim, Dom José Chaves deixou uma mensagem ao povo de Deus desta Igreja Diocesana. “É justamente a vinda do novo bispo o que eu desejo neste momento para a diocese, que está há quase um ano e meio vacante. Rezemos e peçamos a Nosso Senhor e ao Espírito Santo nesta Festa de Pentecostes que mande o bispo da Diocese de Uruaçu. Vamos rezar e pedir para que seja um pastor que possa conduzir esse rebanho que é muito bom, dócil e que está no caminho da lei de Deus. É o que desejo para a diocese e para todos vocês”.

“Que história bonita”

O terceiro bispo diocesano de Uruaçu, Dom Messias dos Reis Silveira, que pastoreou esta Igreja particular de 2007 a 2018, também foi ouvido nesta data especial. Com o carinho e a atenção que lhe é peculiar, ele comentou o significado desses 63 anos de instalação. “Que história bonita, Deus passando no meio do povo. Jesus deixando o seu amor, a sua graça, a suas pegadas na vida do povo que faz esta diocese acontecer. Que acolhe o evangelho e que evangeliza. São 63 anos de um amor muito grande de Deus para com todos. Aí neste chão amado, Deus falou com seus filhos e continua falando. Os mistérios dos sacramentos foram celebrados, as pessoas despertaram para a fé. Eu ouso dizer que santos foram formados e continuam sendo formados. Então é motivo de alegria sem dúvida alguma celebrar esses 63 anos pelos quais nós louvamos e bendizemos a Deus”.

Sobre os 12 anos que conduziu a diocese, Dom Messias disse que que foi um tempo de graça que jamais será apagado da sua memória. “Desta história que é pequena dentro da grande história da revelação de Deus no mundo, mas é uma história que tem uma particularidade porque ela tem a participação de todos que vivem e sabem o que é ser Diocese de Uruaçu, eu tive a graça de viver e participar por 12 anos de 2007 a 2018 quando no dia 19 de fevereiro de 2019 eu tomei posse na nova Diocese de Teófilo Otoni (MG) e então a Diocese de Uruaçu tornou-se vacante. Este tempo que aí passei foi para mim muito especial, um tempo em que está guardado em meu coração e que eu quero guardá-lo como Nossa Senhora também guardava no seu coração os acontecimentos. Foram tempos maravilhosos de trabalhos, esforços, crescimento não só para mim, mas para todo o povo de Deus”, concluiu.

“Agradeço a Deus”

O administrador diocesano, padre Francisco Agamenilton Damascena, que conduz a Diocese de Uruaçu neste período de vacância até a vinda do novo bispo, tece agradecimentos a todos que fazem parte dessa bonita história de evangelização. “Eu agradeço a Deus pelos bispos, pelos padres, pelos diáconos, pelos religiosos e religiosas, pelos leigos consagrados, pelos leigos de modo geral que evangelizaram e nos evangelizam. Bendito seja a mãe Igreja. Já são dois aniversários nossos sem a presença do nosso bispo. Neste dia, façamos uma prece mais fervorosa e peçamos ao bom Deus que nos envie o nosso pastor para que prontamente possamos celebrar com grande alegria a presença do sucessor dos apóstolos que caminha conosco. Deus lhes abençoe!”.

Saiba mais sobre a história da Diocese de Uruaçu. Clique aqui.