Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo

0
245

Com este lema, viveremos o mês de outubro de 2019 proclamado pelo Papa Francisco “mês missionário extraordinário”. Toda a Igreja é convidada a celebrar o centenário da carta Apostólica Maximum Illud, escrita pelo Papa Bento XV. Neste documento o papa motivou os fieis a encontrar modos para promover e desenvolver as missões no meio dos povos. Após cem anos, Papa Francisco deseja, com este mês missionário, despertar a consciência para a missão ad gentes e retomar com novo impulso a transformação missionária da vida e da pastoral.

A Igreja encontra o sentido de sua missão em Deus. Ele é um contínuo envio de si para as criaturas. Em Jesus Cristo este envio se fez carne e habitou entre nós (cf. Jo 1,14) e nos amou até o fim (cf. Jo 13,1). Ele, o missionário do Pai, também envia a Igreja: “Ide e evangelizai” (Mc 16,15). E isto se dá pelo envio do Espírito Santo, a alma vivificadora da Igreja (cf. Lumen Gentium, 4 e 7).

As novas Diretrizes para a Evangelização no Brasil 2019-2023 são um impulso missionário. Elas afirmam a missão como paradigma de toda a ação eclesial (DGAE 2019-2023, n. 186). Segundo Papa Francisco, isto significa “pôr a missão de Jesus no coração da Igreja, transformando-a em critério para medir a eficácia de suas estruturas, os resultados de seu trabalho, a fecundidade de seus ministros e a alegria que eles são capazes de suscitar. Porque sem alegria não se atrai ninguém” (Reunião do Comitê diretivo do CELAM, Bogotá, 7 de setembro de 2017).

Com este mês missionário extraordinário, Papa Francisco espera “que todos os fiéis tenham verdadeiramente a peito o anúncio do Evangelho e a transformação das suas comunidades

Com este mês missionário extraordinário, Papa Francisco espera “que todos os fiéis tenham verdadeiramente a peito o anúncio do Evangelho e a transformação das suas comunidades em realidades missionárias e evangelizadoras; e aumente o amor pela missão, que “é uma paixão por Jesus e, simultaneamente, uma paixão pelo seu povo” (Carta do Papa Francisco ao Cardeal Filoni, 22 de outubro de 2017).

A Diocese de Uruaçu, em sua avaliação pastoral de 2018, constatou a alegria de vários diocesanos em serem missionários respondendo o chamado a ser “Igreja em saída”. Por outro lado, apontou o desânimo pastoral presente em alguns fieis como uma doença espiritual. Estas e outras enfermidades surgem quando a comunidade se distancia do seu núcleo. Portanto, a missão é remédio porque ela é parte constitutiva da Igreja. A alegria apontada pelos fieis é consequência do viver o que se é: batizados e enviados.

Por conseguinte, a intensa vivência do Mês Missionário Extraordinário tem o poder de reanimar as comunidades e fazer os fieis experimentarem novamente a alegria do Evangelho, isto é, serem amados por Deus. Para isso, convidamos todas as realidades eclesiais da Diocese de Uruaçu a inserir dentro da programação ordinária e habitual das comunidades a temática e o espírito do mês missionário, visando a conversão pastoral missionária. Será uma ocasião para despertar, animar e não cansar as comunidades (cf. Guia do Mês Missionário Extraordinário, 10).

Deus abençoe você e sua família em sua missão.
Imaculado Coração de Maria, nosso padroeiro diocesano, sede a nossa salvação!

Pe. Francisco Agamenilton Damascena
Administrador Diocesano